sábado, 10 de janeiro de 2009

Serendipicidade ...

Gosto desta palavra ... Serendipidade ... sempre gostei, por vários motivos ...



Comecei por a ouvir como "serendipicidade" (pode ser utilizada nas 2 versoes) .... Soa-me a redondo, a um círculo perfeito ... como o fechar de um cíclo, o encaixe da peça de puzzle que faltava ...



Gosto dos vários sinónimos que tem associados ... preserverança, atençao, sagacidade, intuiçao, ligar os vários elementos ...



Gosto de a relembrar sempre, ou pelo menos de tempos a tempos, como forma de acordar a minha atençao para tudo o que me rodeia ... tento manter sempre os olhos bem abertos, mas por vezes a realidade do dia a dia pode levar a que semi-cerremos as pálpebras ...



Gostava de pensar que a serendipicidade vai estar associada ao meu ano, que em 2009 vao acontecer mudanças significativas .... sejam elas fruto do meu trabalho ou de um feliz acaso :)



Serendipicidade é mais que pura sorte; é a combinação de sorte com conhecimento, pesquisa, trabalho ou a procura de algo. Num instante mágico, deparamo-nos com algo que não estávamos à espera ou a procurar. O que faz toda a diferença é o aprofundamento inquisitivo do observador; a sua sagacidade, inteligência. Serendipicidade é o "golpe de sorte" dos que se revelam capazes de entender a lógica por detrás do aparente acaso.



Todos os dias nos podemos deparar com momentos de serendipidismo ... basta que saibamos como fazer a leitura dos sinais e como agarrar as oportunidades ...



Ajuda muitissimo quando sabemos o que realmente queremos e qual o caminho que queremos seguir ... :)



Deixo-vos a explicaçao mais detalhada sobre esta palavra ... que de facto gosto muito !! :)



Beijos ...



Serendipidade, também conhecido como Serendipismo, Serendiptismo ou ainda Serendipitia, é um neologismo que se refere às descobertas afortunadas feitas, aparentemente, por acaso.
A história da ciência está repleta de casos que podem ser classificados como serendipismo. O conceito original de serendipismo foi muito usado, na sua origem.


Nos dias de hoje, é considerado como uma forma especial de criatividade, ou uma das muitas técnicas de desenvolvimento do potencial criativo de uma pessoa adulta, que alia perseverança, inteligência e senso de observação.
O cientista francês Louis Pasteur dizia: “O acaso só favorece a mente preparada”.

Etimologia e história
A palavra Serendipismo se origina da palavra inglesa Serendipity, criada pelo escritor britânico Horace Walpole em 1754, a partir do conto persa infantil Os três príncipes de Serendip. Esta história de Walpole conta as aventuras de três príncipes do Ceilão, actual Sri Lanka, que viviam fazendo descobertas inesperadas, cujos resultados eles não estavam realmente à espera.




Graças à capacidade deles de observação e sagacidade, descobriam “acidentalmente” a solução para dilemas impensados. Esta característica tornava-os especiais e importantes, não apenas por terem um dom especial, mas por terem a mente aberta para as múltiplas possibilidades.
Serendib é o nome que os comerciantes árabes da antiguidade deram ao Sri Lanka (um entre vários nomes dados a esta ilha através de sua história, sendo que os cartógrafos gregos antigos a chamavam de Toprobane; já o atual nome do país significa Terra Resplandecente no idioma sânscrito, conforme registrado nos antigos épicos indianos Mahabharata e Ramayana; finalmente, com a chegada dos portugueses, a ilha recebeu o nome luso de Ceilão, do qual deriva a versão inglesa Ceylon).


Alguns casos famosos

Arquimedes
Arquimedes (287-212 a.C.), o grande matemático e inventor grego, tomava seu banho imerso em uma banheira, quando teve o que hoje chamamos de um insight e, repentinamente, encontrou a solução para um problema que o atormentava havia tempos. Seria a coroa do rei de Siracusa realmente de ouro? Dizem que Arquimedes teria saído à rua nu gritando Eureka! Eureka! (Encontrei!). Ele havia descoberto um dos princípios fundamentais da hidrostática, que seria conhecido futuramente como o "Princípio de Arquimedes".

Kekulé
O químico alemão August Kekulé (1829-1896) adormeceu na paragem enquanto esperava o autocarro que o levaria à sua casa e sonhou com uma cobra que mordia o seu próprio rabo, rodopiando numa roda desenfreada. Segundo ele, foi esse sonho que o inspirou no entendimento de como os átomos do anel benzênico se ligavam entre si, princípio básico da química orgânica.


Alexander Fleming
Ao se preparar para entrar em férias por duas semanas, Alexander Fleming inoculou estafilococos numa bandeja e, ao invés de colocá-la na incubadora, como normalmente fazia, resolveu deixá-la sobre a bancada.
No andar de baixo do laboratório de Fleming trabalhava um perito em bolores que cultivava, entre outros, os esporos de um fungo desconhecido, o Penicillium notatum. Imagina-se que os esporos, muito leves, tenham sido levados pelo vento e estavam flutuando em grande quantidade no ar do laboratório de Fleming, cuja porta sempre ficava aberta.
Regressado das férias, e encontrando o laboratório em grande desordem, Fleming começou a fazer uma limpeza geral. Repentinamente, uma das bandejas de estafilococos que estava prestes a ser desinfectada chamou-lhe a atenção. A placa apresentava uma larga zona clara totalmente desprovida de estafilococos, justamente a parte que estava cercada pelo mofo Penicillium. Fleming havia descoberto a penicilina, primeira droga capaz de curar inúmeras infecções bacterianas.

Galvani
Nos seus estudos, dissecando rãs numa mesa enquanto conduzia experimentos com eletricidade estática, um dos assistentes de Galvani tocou num nervo ciático de uma rã com um escalpelo metálico, o que produziu uma reação muscular na região tocada sempre que eram produzidas faíscas em uma máquina elétrostática próxima. Tal observação fez com que Galvani investigasse a relação entre a eletricidade e a animação - vida. Por isso é atribuída a Galvani a descoberta da bioeletricidade.
A própria palavra eletricidade vem de um relato do filósofo grego Thales de Mileto: ao esfregar-se âmbar com pele de carneiro, observou-se que pedaços de palha eram atraídos pelo âmbar. A palavra eléktron significa âmbar em grego.






3 comentários:

Leticia Gabian disse...

Amei o teu post, Carolzita!

Olha, Zé e eu conhecemos bem o significado da palavra.

Desejamos, de coração, que ela seja uma constante em tua vida, neste ano que se inicia.

Beijos grandes grandes

zmsantos disse...

A Carol, didáctica e completa, como sempre.
A palavra, só por si, transmite-me calma, serenidade. Quanto ao que ela representa, estou de acordo de deveria de fazer parte da vida de todos nós.
Beijoca e obrigado pela partilha.

Olha, SiripipideBenguela pra ti!

Mukanda disse...

Meu amor,

Sempre bem.
Sempre muito bem!
Não conhecia a palavra...mas já conheci o seu significado.
Sou feliz por isso.
Que faça sempre parte do nosso dia a dia minha Guapa, de um sensibilidade maravilhosa...quem te levar tem que falar comigo primeiro :)
Beijos meu amor.
Mukanda